(OCDS) 7. Que atitudes lhe parecem fundamentais para cada pessoa cuidar do seu ser orante?

(IRMÃ) Com estes dois momentos orantes quero apenas sublinhar três atitudes orantes que me parecem fundamentais para cada um cuidar do seu ser orante:

1ª Olhar para a nossa vida como espaço em que Deus nos fala de Si. Cuidar do nosso olhar para aprendermos a ver a nossa vida com olhos novos, com coração puro e reta consciência, procurando a presença de Deus. Isto ensina-nos a ser buscadores de Deus.

2ª Deixarmo-nos olhar por Deus para que Ele nos fale de nós. Que Ele nos diga tudo o que fizemos à luz do seu amor.

3ª Abrirmo-nos à ação de Deus, no hoje da nossa história e da nossa oração, para que Ele nos revele qual é a Sua vontade para nós e nos prepare para a missão que nos tem reservada, em cumprimento do plano do Pai Eterno para o mundo.

Estas três atitudes que estão interligadas entre si manifestam o único e autêntico desejo que Deus tem para nós: fazer de nós a ‘Sua Palavra‘, em toda a plenitude de sentido.

O desafio que lhes deixo é que cada um olhe para a sua vida e procure reconstruir o seu percurso orante, faça a leitura do dom que Deus lhe fez de si ao longo de todo este tempo de amizade com Ele e pergunte a Cristo qual é a vontade do Pai para ele.

Queria terminar este momento com uma recomendação de São Mateus muito oportuna, a meu parecer, para respondermos a este desafio de percorrermos o nosso percurso orante:

«Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo;

e teu Pai, que vê no segredo, recompensar-te-á.» (Mateus 6,6)

(OCDS) 8. Como define o estilo de vida de Santa Teresa de Ávila?

(IRMÃ) Santa Teresa, com as possibilidades do seu tempo, será à imagem de Cristo, homem para os outros, uma pessoa totalmente voltada para os outros. As monjas da juventude de Teresa já rezavam pelo Papa, bispos, sacerdotes e missionários, mas ela vai estabelecer uma ligação íntima entre a vida contemplativa feminina e a dinâmica evangelizadora da Igreja. Com a sua reforma enche a clausura de sentido apostólico. Quer que os seus conventos sejam um manancial espiritual para todas as pessoas. A sua paixão pela figura evangélica da Samaritana é expressão disso.

“Ser contemplativa da alma”, quer dizer do interior, é a vocação de todo o cristão. A estas pessoas o Papa Francisco chama «a enfermeira da alma, o docente da alma, o político da alma, porque estas pessoas decidiram ser com os outros e para os outros». Teresa queria um sino, nem que fosse uma modesta sineta furada, para que tocasse para as de dentro e para as de fora. Ela quer que todas as pessoas que vivem nos arredores saibam e que as suas monjas o tenham muito presente: estão no convento por todos e são para todos.

(OCDS) 9. Como se define a si? O que a motivou a entrar para o Carmelo?

(IRMÃ) Vim ao Carmelo “por eles”. O “por eles” da entrega de Jesus ressoava muito forte dentro de mim e não podia ter em mim senão os sentimentos de Cristo entregando-me a mim mesma para que todos tenham vida e a tenham em abundância. Não bastava entregar coisas, nem um tempo da minha vida. Era necessário dar a minha vida para resgatar a vida de muitos. Vida por vida. A imolação da minha para que muitos descobrissem dentro de si a Vida do Deus que os habita. «Pai por eles a mim mesmo me consagro para que eles sejam consagrados na verdade. A tua palavra é a verdade.» NA oração sacerdotal de Jesus (Jo 17) encontrei o verdadeiro sentido da minha vida. Jesus Sacerdote é a ponte entre Deus e os homens, a ponte por onde o Pai desce até nós e nos oferece a vida divina e nos convida a viver em comunhão com Ele e a ponte por onde Jesus veio chamar cada homem a passar: “Ninguém vai ao Pai senão por mim”. Considero que cada carmelita unida a Cristo é esta ponte, a oração da carmelita é o lugar do encontro entre Deus e o homem. A Oração Sacerdotal de Jesus desperta, o meu sentir da fé, para a realidade de que eu sou oração de Deus e ao rezar-me Deus faz de mim oração para muitos e por muitos.

Porque eu acabava de descobrir e experimentar a força da vida eterna dentro de mim, então queria dá-la a todos. «Pai, chegou a hora! Manifesta a glória do teu Filho, de modo que o Filho manifeste a tua glória, 2*segundo o poder que lhe deste sobre toda a Humanidade, a fim de que dê a vida eterna a todos os que lhe entregaste. 3*Esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem Tu enviaste.» (Jo 17, 1-3)

O Carmelo foi o lugar que Deus escolheu.

Diante dos problemas do seu tempo ela propõe-se fazer o que está nas suas mãos. Diz-nos ela:

«Daria mil vidas para remédio de uma alma das muitas que vi perder…, por isso determinei-me a fazer o pouquito que está nas minhas mãos, que é seguir os conselhos evangélicos com toda a perfeição que eu pudesse; e procurar que as que aqui estão fizessem o mesmo.»