Jesus envia os doze: pobres, mas dois a dois e já ricos da sua palavra, semente de graça.

Como o tempo passa depressa n’Ele! Há um ano que Ele me introduziu na arca bendita do Carmelo, e agora, como diz o meu bem-aventurado Pai S. João da Cruz no seu Cântico: “A rola encontrou nas margens verdejantes o seu companheiro tão desejado” Sim encontrei-O, Aquele que a minha alma ama, este único necessário que ninguém me pode tirar. Oh! Como é bom, como é belo, quereria ser toda silenciosa, toda adoradora a fim de penetrar sempre mais n’Ele e estar tão cheia d’Ele para o poder dar às almas que ignoram o dom de Deus. Sei que cada dia reza por mim na Santa Missa. Oh! É verdade, ponha-me no cálice, a fim de que a minha alma seja toda banhada no Sangue do meu Cristo de que tenho tanta sede, para ser toda pura, toda transparente para que a Trindade possa reflectir-se em mim como num cristal. Gosta tanto de contemplar a sua imagem numa alma. Isto atrai-a a dar-se ainda mais, a vir mais plenamente a fim de realizar o grande mistério de amor e de unidade! Peça a Deus que eu viva plenamente a minha vida de Carmelita. Isto supõe uniões tão profundas! Porque me amou tanto? … Sinto-me tão pequena, tão cheia de miséria, mas amo-O, e é a única coisa que sei fazer. Amo-O com o seu amor. É uma dupla corrente entre Aquele que é e aquela que não é! Ah, quando sinto o meu Deus invadir toda a minha alma, como Lhe rezo por si; parece-me que há uma oração à qual Ele não resiste e quero que Ele me torne toda-poderosa! Como gostaria de desbordar o excesso da minha alma na vossa como outrora, mas é de alma para alma, não é verdade, que comunicamos?

Esta festa dos Três é mesmo a minha, para mim não há outra semelhante. Foi tão boa no Carmelo, por ser uma festa toda de silêncio e de adoração; nunca havia compreendido tão bem o mistério e toda a vocação que há no meu nome. Confiei-te aos Três. Sim, é neste grande Mistério que me encontro contigo. Que Ele seja o nosso Centro, a nossa Morada.

«Que o Espírito Santo vos leve ao Verbo, que o Verbo vos conduza ao Pai, e que sejais consumidas no Uno, como era verdade em Cristo e nos santos.

Santa Isabel da Trindade