No Carmelo de Aveiro…

Ao chegar o momento de celebrar as minhas Bodas de Ouro de Consagração Religiosa posso dizer com toda a verdade que me sinto plenamente realizada. Sinto-me feliz por ter seguido o chamamento de Deus ao Carmelo.

Posso dizer que a minha vocação nasceu no Carmelo. Pois, quando eu soube que uma amiga minha ia para a vida religiosa, disse: “acho bem que ela vá, mas eu é que não era capaz de deixar a família”. Chegou o dia de ela ir e foi. Passado algum tempo fomos visitá-la. Logo que chegamos ao Carmelo senti-me tão bem que na despedida disse-lhes: “Rezem por mim para que eu também venha para cá”. O tempo passou e três anos depois eu entrei no Carmelo. Não foi nada fácil, porque a minha família não estava de acordo… Por isso tive de sair de casa sem ninguém saber.

Passados nove anos, quando fiz a minha Profissão religiosa, foi-me dada licença para ir a casa e ao verem como me sentia feliz todos compreenderam, muito bem, que era vontade de Deus que fosse carmelita. Tudo passou e ficaram amigos para sempre. Graças a Deus por tudo! E como filha da Santa Madre Teresa de Jesus também eu: «Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor».

 

 

Ouro de consagração com “prata da casa”

No dia da Assunção de Nossa Senhora, a 15 de Agosto de 2018, o Carmelo de Cristo Redentor de Aveiro celebrou os 50 anos de consagração da vida religiosa da Irmã Maria dos Anjos. O nome da irmã aniversariante, Maria dos Anjos, não poderia estar mais relacionado com o dia da festa da Assunção de Maria: Maria porque é a Mãe de Jesus, e “dos Anjos”, porque neste dia se celebra a elevação ao Céu em corpo e alma, onde é coroada como Rainha dos Anjos e dos Santos. A celebração de 50 anos de consagração alude às tradicionais “bodas de ouro”, cuja festa celebrada sob a presidência do Provincial dos Carmelitas Descalços, o Reverendo Padre Pedro Ferreira, O.C.D., foi vivida com humildade e intensidade. Este sacerdote fez uma retrospectiva da entrega da religiosa à Igreja, desde os períodos em que viveu no Carmelo, em Francos, até ao momento presente, no Carmelo de Aveiro, onde vivendo eremiticamente no interior claustral, “faz parte do coração desta Igreja, que aqui vem buscar forças, a este coração que se mantém a trabalhar com a mesma intensidade, para não rebentar com o acelerar dos batimentos, nem para morrer com o seu enfraquecimento. As Irmãs com a sua vida de oração mantêm a intensidade necessária”. Concelebraram a Eucaristia, sacerdotes Carmelitas e diocesanos, tendo estado presente o Sr. Padre Fernando Rosas, da paróquia de origem da Irmã Maria dos Anjos. Os momentos da apresentação dos dons e de pós-comunhão foram executados por familiares e amigos da Irmã Maria dos Anjos, com instrumentais de órgão e violino. A família de sangue esteve muito bem representada, através de várias gerações, tendo vivido momentos belos, quer na eucaristia, quer mais tarde, no convívio, onde a Irmã em festa partiu o bolo perante todos os presentes, e evidenciou a sua alegria genuína com todos aqueles que a saudaram e parabenizaram!

Assim surgiu o título deste texto, cujas bodas de ouro de consagração foram celebradas com a prata da casa: os sacerdotes Carmelitas presentes nesta diocese, a família religiosa das Irmãs Carmelitas do Carmelo de Cristo Redentor, com a participação de familiares e amigos, sentindo-nos como se em nossa casa ou na nossa própria paróquia estivéssemos, sem deixarmos de estar no próprio coração da Diocese de Aveiro! Muitas felicidades, Irmã Maria dos Anjos, ao longo desta peregrinação sob o olhar maternal de Nossa Senhora do Carmo!