O primeiro título que Mateus dá a José é “Esposo de Maria”(Mt 1,16) e o segundo é “Filho de Davi” (Mt, 1,20). Entre os dois insere o qualificativo “Justo” (Mt 1,19) exprimindo desta forma o grau de santidade exigido no objetivo pelo qual estes dois títulos lhe são atribuídos, ou seja, a entrada do Verbo na família humana.

Sendo que a messianidade de Jesus depende do casamento de Maria com José, é natural que Mateus evidencie que ele é esposo de Maria. O evangelista interessa definir que Jesus foi concebido pelo Espírito Santo e não o momento da concepção, durante ou depois do casamento, mesmo porque o verbo “Minesteúo” (v 18) utilizado por Mateus pode ser interpretado tanto como namoro como também para mulher casada que coabita com o marido (Lc 2,5). A Igreja retém que entre Maria e José houve um estreito vínculo conjugal e próprio por isto José participa da excelsa grandeza de Maria.

O matrimônio entre ambos foi verdadeiro porque entre eles houve a união conjugal, não a união sexual. Houve a “união indivisível dos ânimos”que os levou a manterem-se perpetuamente fiéis um ao outro. Como tal, o matrimónio de Maria e José não foi  um  jogo de simples circunstâncias humanas, ou simplesmente o resultado de uma intervenção de Deus. Mas uma necessidade para que o Verbo Divino fizesse parte duma família humana e para que fosse reconhecido como filho de Davi. O lar de José e Maria foi destinado para acolher e educar Jesus, e por isso comportava a máxima expressão da união conjugal, ou seja, o grau supremo do dom de si. Neste sentido a virgindade exprime e garante a gratuidade deste dom, e assim esta união apenas  não compromete a essência do matrimônio e da paternidade, mas evidencia-a e defende-a, segundo a afirmação de santo Agostinho: “Esposo tanto mais verdadeiro quanto mais casto”, “Pai  tanto mais verdadeiro quanto mais casto”.

 O dom de si coincide, para São Tomás, com o amor amizade que não é o amor concupiscência, pois ama-se querendo o bem do outro e não o bem próprio; ama-se numa dimensão de amor recíproco. De fato, a afinidade espiritual de Maria e José foi tão grande que Maria aceitou a divina maternidade sem lhe pedir o consentimento, porque sabia que Deus tinha sobre ela todo direito e que o desejo profundo de José era que ela fosse toda de Deus. Desta forma a atitude de Maria para com José não foi uma falta de delicadeza, mas um sinal de confiança. Em vista disto, Bernardino de Bustis afirma que: ”entre Maria e José existiu um amor indivisível e santíssimo; de fato, depois  de Cristo, seu Filho, a Virgem puríssima não amou nenhum homem ou criatura assim como a José e da mesma forma José amou a beata Virgem acima de todas as criaturas”. (Sermo 12, de BMV Desponsatione). Maria distinguiu-se no seu amor para com José e não houve ninguém que ela tratasse com tanta familiaridade como a José, seu esposo.

Na comunhão de amor com Maria está também o segredo de toda a santidade de José e, se é verdade, como afirma Francisco Suaréz: “que um dos meios mais eficazes para obter de Deus os dons da graça é a devoção para com a Virgem e a  sua intercessão, podemos acreditar que o santíssimo José, diletíssimo à Virgem e devotíssimo, obteve por seu meio a exímia perfeição e santidade. Desta forma, como é o parecer de São Bernardino de Sena, Maria amou José com toda sinceridade e com todo o afeto de seu coração e ofereceu-lhe livremente o tesouro de seu coração”.

Deus designou José “filho de Davi”, para transmitir a Jesus a descendência davídica  e fê-lo através do matrimónio com Maria. Se Maria esposa de José tem um filho, este legalmente é também filho de José pelos efeitos civis e familiares. Daqui a importância deste matrimónio, pois juntamente com Maria, José foi envolvido na realidade do acontecimento salvífico, sendo o depositário do mesmo amor do Eterno Pai (RC 1).

O anjo ao dirigir-se a José com o título, “Filho de Davi”, “introduz José no mistério da maternidade de Maria”, a qual se tornou mãe por obra do Espírito Santo. O anjo também se dirige a José como “ao esposo de Maria”, como aquele que deverá dar o nome ao Filho que nascerá da Virgem de Nazaré, sua esposa; portanto, confia-lhe uma tarefa de pai terreno a respeito do Filho de Maria (RC 3).

Já que a “União virginal e santa de José e Maria constitui o vértice do qual a santidade se espalha sobre a terra”, é particularmente oportuno celebrar a festa dos Santos Esposos Maria e José.

Oração
Salve, José, cheio de graça,
O Senhor é contigo.
Bendito és tu entre todos os homens
E bendito é Deus que te escolheu para seres o pai
Do seu Filho, Jesus.
São José,
Esposo de Maria,
Roga por nós pecadores,
Agora e na hora da nossa morte.
Ámen.