«Quero ser Santa»

É uma decisão que se encontra várias vezes nos seus escritos. E esta afirmação da santidade tem as suas consequências imediatas.

Esta jovem de 17 anos é já uma mulher adulta no pensamento e na intuição.

«No amor está a santidade. Quero ser Santa!»

«Creio que no amor está a santidade: entregar-me-ei ao Amor, porque ele purifica, serve para expiar. Quem ama não tem outra vontade senão a do Amado: e eu quero fazer a vontade de Jesus. Quem ama sacrifica-se. Quero sacrificar-me em tudo. Quero imolar-me constantemente para me parecer Àquele que sofre por mim e me ama.

O amor obedece sem réplica. O amor é fiel. O amor não vacila. O amor é laço de união de duas pessoas. Por amor fundir-me-ei em Jesus».

No seu diário escreve os propósitos para 1917:

«1º aceitar os sacrifícios sem murmurar nem me abater.

2º quero eclipsar-me.

3º esmerar-me-ei por fazer os outros felizes.

4º procurarei tornar amável a virtude.

5º hei-de esquecer-me de mim mesma, unindo-me a Jesus sendo caritativa com o próximo, sendo amável com as pessoas que me proporcionem humilhações, vivendo com Jesus no fundo da alma, que há-de ser a casita onde Ele possa descansar. Ali O adorarei e lhe oferecerei as mortificações, sofrimentos e humilhações.»

Teresa dos Andes liga intimamente a santidade às virtudes. E demonstra-O com o raciocínio lógico nos conselhos que dá aos seus amigos para serem santos:

«Ofereçamo-nos a Ele com amor. A vontade de Deus é que sejamos virtuosas».

A própria Igreja fala de virtudes heróicas quando quer propor alguma pessoa como modelo de santidade. Na realidade esta é uma obra conjunta de Deus e da pessoa humana. Por isso Teresa dos Andes sabe que a santidade e as virtudes têm que se apoiar numa atitude de humilde suplica a Deus para que Ele actue e nós O deixemos actuar.

É isto que procura comunicar a esta sua amiga:

«Contempla-O sem te cansares, dentro do teu céu. Pede-lhe que quando o olhares Te dê as virtudes que te tornem formosa aos seus divinos olhos.»

«Entreguei-me a Ele,

É impossível dizer tudo o que quero.

O meu pensamento não se ocupa senão d’Ele.

É o meu ideal. É um ideal infinito.

Suspiro pelo dia de me ocupar só d’Ele,

Para me fundir n’Ele

E para viver a vida d’Ele.

Oh, amo-O tanto!

Queria inflamar-te nesse amor.

Que dita a minha se te pudesse dar a Ele!

Oh, nunca tenho necessidade de nada,

Porque em Jesus tenho tudo o que procuro.

Ele jamais me abandona.

Jamais o seu amor diminui.

É tão puro. É tão belo.

É a própria Bondade.» 

Santa Teresa de Jesus dos Andes

Que neste primeiro centenário da sua morte todos nós nos deixemos interpelar por este caminho de vida e santidade, que radica no amor a Deus e ao próximo!