Jesus «admirou-se da falta de fé deles», apesar de que n’Ele «o reino de Deus está muito perto» e d’Ele vir «revelar o Pai».

É junto do Santo de Deus que encontrais a vossa pequena carmelita e é também aí que ela vos reencontra. Então, não há mais distância, nem separação, mas já, como no céu, a fusão dos corações e das almas!

A Igreja fez-me ouvir o «Veni sponsa Christi!» Consagrou-me, e agora está tudo consumado. Ou antes, tudo começa, porque a Profissão é apenas uma aurora, e cada dia a minha “vida de esposa” me parece mais bela, mais luminosa, mais envolta de paz e amor. Na noite que precedeu o grande dia, enquanto estava no Coro à espera do Esposo, compreendi que o meu céu começava na terra, o Céu na fé, com o sofrimento e a imolação por Aquele que amo!… Quereria tanto amá-l’O, amá-l’O como a minha seráfica Madre Teresa até morrer de amor: “Ó vítima de Amor”, como cantamos no dia da sua festa. E eis toda a minha ambição: ser a presa do amor! Parece-me que no Carmelo é tão simples viver de Amor; de manhã à noite a Regra está aí para nos indicar, instante a instante, a vontade do santo Deus. Se soubésseis como amo esta Regra que é a forma pela qual Ele me quer santa.

Não sei se terei a felicidade de dar ao meu Esposo o testemunho do sangue, mas pelo menos, se levar por inteiro a vida de carmelita, tenho a consolação de me gastar por Ele, e só por Ele. Assim, que me importa a ocupação na qual Ele me quer: pois que Ele está sempre comigo, a oração, o face a face, nunca mais deve acabar!

Sinto-O tão vivo na minha alma não tenho senão de me recolher para o encontrar dentro de mim e é isso que constitui a minha felicidade. Foi Ele que pôs no meu coração uma sede de infinito e uma tão grande necessidade de amar que só Ele pode saciar. Então dirijo-me a Ele como uma criancinha à sua mãe, para que Ele preencha, para que tudo invada e que me tome levando-me nos seus braços; parece-me que é preciso ser tão simples como Deus!

Não poderíeis vir abençoar a vossa pequena carmelita, agradecer junto dela Àquele que tanto a amou?

Santa Isabel da Trindade